Planeta Reggae

Current track

Title

Artist


OS WAILERS DA PRÓXIMA GERAÇÃO MANTÊM A LUZ DO REGGAE ACESA COM “ONE WORLD”

Written by on 8 de setembro de 2020

CLEVELAND, Ohio – The Wailers é um nome falado com reverência – no reggae e, de fato, em toda a música popular.

Muitos o conhecem como as duas palavras que vêm depois de “Bob Marley e …”, e a associação certamente foi responsável por parte de um catálogo de música definitiva, mesmo com as mudanças de membros ao longo dos anos. O baixista Aston “Family Man” Barrett e seu irmão, o baterista Carlton “Carly” Barrett, também operaram como Wailers Band, um apelido para a força instrumental por trás da encarnação original dos Wailers de Marley, Peter Tosh e Bunny Wailer.

Honrando o pedido de Marley para que a banda ficasse junta após sua morte em 1981, os Wailers mantiveram uma presença em turnê, com descendentes e alunos da formação anterior carregando a tocha. É liderado atualmente por Aston Barrett Jr., um multi-instrumentista e produtor de 20 anos que também trabalhou com Stephen Marley, Julian Marley e outros luminares do reggae contemporâneo.

Seus Wailers – com o primo distante Josh David Barrett no lugar de Marley como vocalista principal – acaba de lançar um novo álbum, “One World”, o primeiro do grupo em mais de 25 anos. É co-produzido com Emilio Estefan. O conjunto de 14 canções conta com a participação de vários Marleys (Julian, Skip e Cedella), Emily Estefan e outros.

E Barrett Jr. expressa a confiança de que não levará mais um quarto de século antes que haja mais músicas dos Wailers para ouvir…

“One World” já faz muito tempo. Qual é a sensação de saber disso?

Barrett: É muito bom, cara. Colocamos o trabalho e finalmente juntamos todas as peças finais. Era a hora certa. O Emilio nos orientou e tinha um prazo para lançarmos o álbum, então deu tudo certo. Nós apenas fazemos o trabalho, sabe?

Dadas as linhagens envolvidas, você meio que sabe o que um álbum dos Wailers deve ser, certo?

Barrett: A música de Bob Marley e os Wailers é universal, universal para todas as idades. Queríamos retratar isso e ainda fazer a mesma coisa de uma forma que ainda pregasse paz, amor e unidade. Isso é o que a música de Bob Marley and the Wailers fez, e nós queríamos fazer isso para uma nova geração … porque algumas das músicas hoje podem ser um pouco ásperas, sabe? O que Emilio me disse, cara a cara, é que muitas letras boas não estão sendo feitas, ou se estão sendo feitas, não estão sendo conhecidas. Então, quando entramos no estúdio, tínhamos uma mente.

Como o Emilio passou a fazer parte disso?

Barrett: Recebemos uma oferta para fazer um show no distrito de Miami, para o Estefan Kitchen, onde eles deram shows gratuitos. Dissemos: “Sim” e quando chegamos lá um cara veio e disse: ‘Ei, você quer fazer alguma coisa com Emily’, que é filha de Gloria e Emilio. “Ela pode cantar?” “Sim, cara, ela é ótima.” Então, “OK, vamos tentar” e quando chegamos aos ensaios ela começou a cantar e nós pensamos, “Uau! Essa garota soa como Gloria, mas a coisa nova, a nova geração. ” Ela tinha aquela singularidade sobre ela. Então, nós fizemos o show e o Emilio ficou boquiaberto – Gloria também. Ele veio até nós e disse: “O reggae está voltando, de uma forma diferente. Eu adoraria ajudar vocês, porque o show que vocês fizeram foi incrível. ” Foi assim que tudo começou. Ele nos convidou para o estúdio e depois disso ele queria que nós conhecessemos a Sony Latin e nós continuamos.

Você tinha alguma coisa em movimento antes disso?

Barrett: Existem cinco músicas no álbum que eu produzi com Josh nas quais ele e eu estávamos trabalhando quando ainda estávamos trabalhando para meu pai, músicas como ‘Stand Firm Inna Babylon’ e ‘Can’t Get I Got.’ Temos muitas canções de raiz que soam como Bob Marley and the Wailers, mas queríamos diversificar esta – é por isso que contratamos um produtor. Emilio disse: “Tudo bem, vou ajudar vocês a terminar o álbum e vocês começaram e adicionaram alguma música e elevaram um nível, o que ele fez. Já sabíamos que o que tínhamos era ótimo, mas não tínhamos ideia que seria nesse nível. Aprendemos muito trabalhando com o Emilio.

Você falou sobre o espírito da música que os Wailers fizeram no passado. Parece que agora, em meio a uma pandemia e agitação social, é exatamente o momento certo para ouvir esse tipo de música.

Barret: Isso é verdade. Queremos tornar a música eterna. Não queremos apenas fazer sucesso hoje, porque então você terá que fazer mais ataques novamente. Você quer ter algo que será preservado, como a música dos Beatles é preservada, a música de Bob Marley e dos Wailers é preservada, muita música boa de bandas dos anos 70 … Há tanta música hoje onde eles têm fazer remixes porque eles não têm a habilidade de fazer esse tipo de música, que vai durar para sempre.

Você se sente o guardião dessa música e de sua herança?

Barrett: Eu vejo minha vida como fui colocado aqui para salvar o som de Walers. Eu fui escolhido. Não sei por quê, mas não questiono. Estou apenas fazendo o trabalho de Jah, como eu disse. Eu não questiono nada. Eu mantenho muitos anciãos ao meu redor para me manter na linha. Somos muito voltados para a família, que é como Bob Marley e os Wailers também eram. O que estamos fazendo agora é criar um novo quadro e ainda manter o respeito de Bob Marley.

Parece uma tarefa difícil.

Barrett: Tenho uma posição difícil de manter porque não tenho apenas um Wailers para manter. Eu tenho três, que é o Homem de Família, que é meu pai, Carlton Barrett e Joe Higgs. Esses são os três alicerces que preciso manter. Muito do trabalho interno foi feito por aqueles três, e foi Bob quem divulgou a mensagem. Ele era o rosto e eles eram a moldura. Você tem muitos reinos lá. Bob é o rei do reggae, Joe Higgs é o padrinho do reggae, Carlton Barrett é o tipo de bateria de reggae e Family Man, o rei do baixo reggae. O legado de Bob Marley é preservado. Sua família está fazendo um trabalho fabuloso. Meu trabalho é preservar a fundação e o legado de minha família, mas em uma trindade junto com Bob, Carlton e o Homem de Família. É como aqueles reis nos dias em que eles tinham muitas esposas; Assim que o rei morreu (Aston Barrett está aposentado),o filho é responsável por todas essas esposas.

O que você aprendeu sobre brincar com seu pai?

Barrett: Sinta e soe. E a disciplina. Ele era como (“The Karate Kid’s”) Sr. Miyagi. Alguns dias meu salário era baixo porque eu não limpei o baixo ou não configurei o amplificador corretamente. Tive que aprender a diferença entre os agudos e os agudos, os agudos, médios e médios-médios – tantos timings diferentes que temos que aprender quando alguém está tocando baixo reggae. Não se trata apenas de “ligar o baixo e você terá reggae”. Se você ouvir meu pai, todas as suas linhas de baixo têm clareza. Você tem que ter clareza – até mesmo no órgão. Muitas pessoas simplesmente apertam o 8 botão na barra de drive e pensam que é reggae. É por isso que a música dos Wailers era muito diferente. É muito organizado, muito específico.

O que vem por aí para os Wailers?

Barrett: Este próximo álbum virá muito mais rápido. Já começamos e será incrível. Ainda não sei qual é o conceito disso. Não sei o que Emilio planejou, mas ele tem nos guiado no caminho certo, então estamos animados. Nesse ínterim, ainda estou trabalhando com a família Marley; Você vai ouvir coisas deles, de diferentes artistas da família, e eles vão manter essa música viva e avançando também.


Reader's opinions

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *