Planeta Reggae

Current track

Title

Artist


Black Roots lança clipe Nothing in the Larder faixa-titulo do próximo álbum.

Written by on 18 de maio de 2021

A pobreza alimentar tornou-se uma das realidades econômicas mais gritantes que afetam as comunidades vulneráveis ​​nas democracias mais ricas e poderosas desde o início deste século. E está fadado a piorar, até porque estamos lidando com uma pandemia mundial que não tem uma data de término clara. As dificuldades econômicas e a pobreza estão aumentando. Filmagem de entrevistas com famílias que não têm dinheiro para colocar comida na mesa para alimentar seus filhos, de pessoas indo a bancos de alimentos e longas filas de carros (nos EUA, por exemplo) fazendo fila para coletar cestas básicas e de especialistas discutindo como a desigualdade está sendo alimentado por políticas econômicas destinadas a proteger os interesses e beneficiar uns poucos sobre muitos, são todos muito comuns. Estamos acostumados a ver as imagens da fome em nossas telas e os efeitos devastadores que elas têm nos países mais pobres do mundo, mas o que estamos vendo agora no chamado ‘mundo desenvolvido’ não tem precedentes. Os benefícios estão sendo cortados, a pobreza está aumentando e os pais que trabalham não ganham o suficiente para mantê-los do dia do pagamento ao dia de pagamento. Onde tudo isso vai acabar?     
Esta canção, a faixa-título do próximo álbum que lançamentos em 4 th  junho 2021, destaca este problema crescente, mas também reconhece que é preciso haver uma maior compreensão, mais sabedoria e conhecimento no mundo se não vai ser uma mudança real.

Black Roots

Formado em 1979, o Black Roots explodiu na cena Roots Reggae em 1981, quando John Peel, o lendário DJ da BBC Radio 1, apresentou seu EP de estréia em seu programa, saudando-os como uma das melhores novas bandas de reggae do Reino Unido. Sua marca única de reggae de raiz atraiu as pessoas que buscavam uma voz que falasse contra as injustiças e a alienação causadas pelo ritmo das reformas políticas introduzidas na Grã-Bretanha de Thatcher. O conteúdo lírico inflexível do Black Roots foi essa voz ao longo dos anos 80.

Desde o início, a banda viajou pelo Reino Unido extensivamente tocando em clubes, faculdades, locais e universidades, e fez aparições regulares em Glastonbury, WOMAD, Elephant Fayre e outros grandes festivais. Eles entraram no circuito europeu após uma vaga de suporte em 1984 na turnê europeia do UB40 ; fez várias aparições no rádio e na televisão e lançou vários álbuns neste período ( ‘ Black Roots’, ‘The Frontline’, ‘In Session’, ‘All Day All Night’, ‘Natural Reaction’, ‘With Friends e’ the Dub Factor series ‘ ). Mas tudo ficou quieto para a banda no início dos anos 1990. A banda parece deslizar dos confins da terra e nada acontece por mais de 10 anos.

No entanto, seus fãs leais continuam a pesquisar sua música e é essa lealdade que leva ao seu ressurgimento, desenvolvido por Makasound (França) depois que eles abordaram a banda, licenciaram e relançaram parte de seu catálogo antigo ‘On the Frontline’ em 2004 e ‘In Session’ em 2007. Seguiram-se mais 2 reedições em 2011 na Bristol Archive Records (Reino Unido), uma compilação de seus singles ‘ The Reggae Singles Anthology’ e uma reedição em CD de ‘ All Day All Night’ com bônus faixas.

Mas o mais importante, a banda começou a gravar um novo material original e em 2012 eles lançaram ‘On the Ground’ pela Sugar Shack Records (Reino Unido). É o primeiro álbum de estúdio original em mais de 20 anos e é seguido por mais 2 lançamentos de material original na Soulbeats Records (França) ‘ Ghetto Feel’ 2014 e ‘Son of Man’ 2016. Essas gravações tocaram um acorde que destacou mais uma vez a alienação e as injustiças que estão surgindo na Europa hoje, à medida que ela se inclina inexoravelmente para a direita e os direitos das pessoas estão sendo corroídos.

A banda continua a produzir músicas mais originais e voltou ao estúdio em dezembro de 2017 para gravar e produzir 22 músicas no J&J Studio da Portishead em Bristol, empregando os talentos de mixagem de Louis Beckett. O primeiro álbum desta sessão, ‘Take It’ saiu no próprio selo da banda Nubian Records em colaboração com selo independente francesa Khanti registros em novembro de 2018. O segundo, ‘ Nada na despensa’ lançamentos na 4 ª , junho 2021 em parceria com a Take It Easy Agency e Inouie Distribution, também com sede na França.

Registros Nubian também começaram a trabalhar com o Real Rock Records na Itália para lançar uma série de 7” de vinil de edição limitada v i prensagens nyl de seu extenso catálogo de volta ao longo de 2021 e 2022. A primeira delas são ‘ delinquente juvenil / Dub da Juventude’ e ‘ What Them A Do / Jah Jah Dub’ . Essas faixas foram produzidas e mixadas por Dub Judah e apareceram pela primeira vez nos álbuns ‘With Friends’ e ‘D ub Factor 2 – The Dub Judah Mixes’ que foram lançados no início dos anos 1990.

Eles também estão se apresentando ao vivo entregando aquela mensagem consciente e intransigente com aqueles vocais harmônicos apoiados por um ritmo de reggae de raízes melódicas profundas que os torna tão únicos. A banda realizou shows selecionados no Reino Unido e na Europa, como Bristol Veg Fest, Festival de Glastonbury, Lambeth Country Show em Brockwell Park em Londres, ATP I’ll Be Your Mirror com curadoria de Portishead no Alexandra Palace em Londres, Reino Unido; Bagnols Reggae Festival, Cabaret Sauvage Paris, Garance Reggae Festival Bagnols Sur Ceze, Banlieues Bleues Jazz Festival Paris, Reggae Sun Ska Bordeaux, Nomade Reggae Festival Frangy e Nancy Jazz Pulsations França; Dour Festival e Afro C Belgium; Ostroda Reggae Festival Polônia; Octopode Festival Genebra, Suíça; Sardenha Reggae Festival Itália, Rototom Reggae Sunsplash Espanha e Bristol Harbour Fest.

Site: https://blackrootsreggae.net/
Facebook: https://www.facebook.com/blackrootsreggae
Youtube: https://www.youtube.com/NubianRecords
Instagram: https://www.instagram.com/black.roots2018/


Reader's opinions

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *